|BUSCA NOMES COMUNS|abcefgijlmopqrstuv
Portuguese English French German Italian Spanish
flamingo

flamingo

Quarta, 19 Fevereiro 2014 11:59

Passeriformes

Os Pássaros, ou aves canoras, compreendem a mais numerosa das ordens, incluindo mais da metade de todas as espécies de aves. Encontram-se entre os membros dessa ordem aves de dimensões pequenas e médias. A forma do bico varia bastante, dependendo do respectivo tipo de alimentação. As pernas são demonstrativas da origem arborícola das aves canoras. Os quatro dedos estão todos implantados ao mesmo nível, encontrando-se o primeiro permanentemente invertido. O tarso é coberto por escamas pequenas, em forma de lâminas. A plumagem é suficientemente densa e a penugem fina.

O canto dos pássaros é geralmente melodioso. As suas características dependem da estrutura do aparelho fonador (a siringe), bem como da quantidade e posição dos músculos deste, que variam entre um e sete. As aves canoras são, na sua maioria, monógamas, vivendo com um único parceiro ao longo de toda época do acasalamento; no entanto, também se conhecem espéciespolígamas, com um macho dominante que acasala com várias fêmeas.

Os ninhos dos pássaros são, provavelmente, os que envolvem uma construção mais elaborada entre todas as espécies de aves. São, na sua maioria, em forma de taça, sendo muitos deles, exemplos perfeitos de engenharia. Os filhotes são nidícolas, nascendo cegos, desprovidos de penas, e raramente cobertos de penugem. São completamente dependentes dos progenitores durante um bom tempo. Pedem alimento aos pais, esticando o pescoço e abrindo o bico, desde as primeiras horas após o nascimento. Para uma melhor orientação dos progenitores durante o processo de alimentação, os bicos dos filhotes apresentam comissuras coloridas, manchas na língua, ou mesmo pontos florescentes na garganta.

A classificação dos Passeriformes é bastante complexa, baseando-se no número e posição dos músculos fonadores e na concreção dos músculos flectores dos dedos.

  1. Família Thamnophilidae Swainson, 1824 - Chocas, formigueiros, chororós e afins
  2. Família Melanopareiidae Ericson, Olson, Irested, Alvarenga & Fjeldså, 2010 - Tapaculo-de-colarinho
  3. Família Conopophagidae Sclater & Salvin, 1873 - Chupa-dentes
  4. Família Grallariidae Sclater & Salvin, 1873 - Torons, tovacuçus e afins
  5. Família Rhinocryptidae (Wetmore, 193, 1837) - Tapaculos e afins
  6. Família Formicariidae Gray, 1840 - Tovacas e afins
  7. Família Scleruridae Swainson, 1827 - Vira-folhas e afins
  8. Família Dendrocolaptidae Gray, 1840 - Arapaçus
  9. Família Xenopidae Bonaparte, 1854 - Bicos-virados
  10. Família Furnariidae Gray, 1840 - Joões, limpa-folhas e afins
  11. Família Pipridae Rafinesque, 1815 - Uirapurus e afins
  12. Família Oxyruncidae (Ridgway, 190, 1831) - Araponga-do-horto
  13. Família Onychorhynchidae Tello, Moyle, Marchese & Cracraft, 2009 - Maria-leque, assanhadinho
  14. Família Tityridae Gray, 1840 - Caneleiros, flautins, anambés e afins
  15. Família Cotingidae Bonaparte, 1849 - Arapongas, anambés, saurás, corta-ramos e afins
  16. Família Pipritidae Ohlson, Irestedt, Ericson & Fjeldså, 2013 - Papinho-amarelo, caneleirinho-de-chapéu-preto
  17. Família Platyrinchidae Bonaparte, 1854 - Patinho e afins
  18. Família Tachurididae Ohlson, Irestedt, Ericson & Fjeldså, 2013 - Papa-piri
  19. Família Rhynchocyclidae Berlepsch, 1907 - Marias, abre-asas, ferreirinhos e afins
  20. Família Tyrannidae Vigors, 1825 - Pássaros
  21. Família Vireonidae Swainson, 1837 - Vite-vites, juruviaras e afins
  22. Família Corvidae Leach, 1820 - Gralhas
  23. Família Hirundinidae Rafinesque, 1815 - Andorinhas
  24. Família Troglodytidae Swainson, 1831 - Garrinchas, uirapurus e afins
  25. Família Donacobiidae Aleixo & Pacheco, 2006 - Japacanim
  26. Família Polioptilidae Baird, 1858 - Balança-rabos e afins
  27. Família Turdidae Rafinesque, 1815 - Sabiás
  28. Família Mimidae Bonaparte, 1853 - Sabiás e afins
  29. Família Motacillidae Horsfield, 1821 - Caminheiros
  30. Família Passerellidae Cabanis & Heine, 1850 - Tico-ticos
  31. Família Parulidae Wetmore, Friedmann, Lincoln, Miller, Peters, van Rossem, Van Tyne & Zimme, 1947 - Pula-pulas, mariquitas e afins
  32. Família Icteridae Vigors, 1825 - Guaxe, japus e afins
  33. Família Mitrospingidae Barker, Burns, Klicka, Lanyon & Lovette, 2013 - Pipiras, catirumbava
  34. Família Thraupidae Cabanis, 1847 - Saíras, saís, tiês, sanhaçus e afins
  35. Família Cardinalidae Ridgway, 1901 - Azulão, trinca-ferro-verdadeiro e afins
  36. Família Fringillidae Leach, 1820 - Pintassilgos, gaturamos e afins
  37. Família Estrildidae Bonaparte, 1850 - Bico-de-lacre
  38. Família Passeridae Rafinesque, 1815 - Pardal
Quarta, 19 Fevereiro 2014 11:26

Galbuliformes

Ordem das Arirambas, Macucus, rapazinhos, chora-chuvas e afins.

As arirambas se parecem com “grandes beija-flores”, devido ao bico longo, em forma de agulha, e à sua plumagem de brilho metálico. Apresentam certas semelhanças superficiais com os martim-pescadores. Muitas espécies apresentam bicos vivamente coloridos, providos com um dente na ponta da maxila e uma cabeça descomunal. São aves confiadas, que permanecem pousadas por longo tempo em poleiros fixos, graças à disposição zigodáctila dos pés, providos de solas largas e acolchoadas. Lançam-se desses poleiros em situações altaneiras sobre presas na vegetação adjascente ou no solo, predando invertebrados, pequenos vertebrados e até pequenas serpentes engolindo-as inteiras.

Família Galbulidae Vigors, 1825 - Arirambas e afins 
Família Bucconidae Horsfield, 1821 - Macucus, rapazinhos, chora-chuvas e afins

Quarta, 19 Fevereiro 2014 11:11

Trogoniformes

Os Surucuás são as aves da ordem Trogoniformes que possui apenas uma família, a Trogonidae.

Vivamente coloridas. Têm suas asas convexas fortemente curvadas adaptadas ao voo dentre a floresta tropical. O caráter anatômico mais notável dos Trogonideos, único em toda classe, é a estrutura dos pés que tem dois dedos para frente e dois para trás; contudo os dianteiros são os terceiros e quartos dedos, e os traseiros o primeiro e segundo formando um pé heterodáctilo. Alimentam-se de grandes lagartas, artrópodes e também de alguns frutos no qual cospem os caroços ingeridos.

Família Trogonidae Lesson, 1828 - Surucuás

03 espécies

Quarta, 19 Fevereiro 2014 10:58

Strigiformes

As corujas (Tytonidae e Strigidae) têm olhos grandes voltados para a frente o que lhes confere uma visão binocular; a audição é muito especializada e algumas espécies possuem os ouvidos dispostos assimetricamente na cabeça, auxiliando na localização das fontes de som. A habilidade de localizar um animal em movimento, apenas por intermédio de uma parte do espectro de frequências que compõem o seu ruído, se deve a um ouvido muito especial. Para explicá-lo, os ornitólogos costumam compará-lo a um microfone de radar colocado no foco de uma parabólica. A parabólica é o disco facial de penas que a coruja apresenta ao redor do ouvido; o microfone, o próprio ouvido. Movendo-se sob a ação de músculos, esse disco de penas amplia o volume e dirige o som para o ouvido como se fosse uma parabólica, facilitando a localização do ruído. As falsas orelhas ou penachos, além de ornamentais, assustam os inimigos; as rêmiges são macias tornando possível um voo silencioso.

São aves tímidas, geralmente solitárias, consideradas entre os predadores mais sofisticados do mundo. Na Grécia antiga eram cunhadas moedas com a imagens de corujas, como uma associação a sabedoria da Deusa Atena.

Família Tytonidae Mathews, 1912 - Coruja-da-igreja 
Família Strigidae Leach, 1820 - Corujas

Quarta, 19 Fevereiro 2014 10:46

Psittaciformes

Os Psittaciformes são algumas das aves mais inteligentes e que possuem o cérebro mais desenvolvido. Têm a capacidade de imitar, com grande fidelidade, todos os tipos de som, inclusive palavras. Animais longevos, cujas espécies maiores podem viver mais de 50 anos. São, sem dúvida, um grupo de aves distintas das demais, tendo uma série de características específicas. Têm bicos altos e aduncos, cuja mandíbula superior é consideravelmente maior que a inferior e não está completamente fixa ao crânio, como acontece com outras aves, estando ligada a este por uma espécie de “junta”, que lhe permite movimentá-la para cima e para baixo. A mandíbula inferior pode mover-se lateralmente o que torna o bico dessas aves, juntamente com sua ágil língua, um genial e versátil instrumento. A plumagem, bastante colorida na maioria das espécies, é mantida limpa com a ajuda do pó que se acumula na penugem do dorso. A grande maioria das espécies é muito sociável e vive em bandos ao longo de todo o ano, ou pelo menos, após a reprodução.

Família Psittacidae Rafinesque, 1815 - Araras, papagaios e periquitos

16 espécies

Quarta, 19 Fevereiro 2014 10:31

Podicipediformes

A ordem dos Podicipediformes engloba apenas uma família, a Podicipedidae. É um grupo de vasta distribuição, estando presente em todos os continentes, exceto nas regiões polares e em algumas ilhas oceânicas. É composta por aves como os mergulhões, que frequentam rios e lagos.

Os podicipediformes são aves de porte médio, de comprimento variando de 22 a 76 cm e peso de 100g a 1,6 Kg. A plumagem é geralmente castanha ou cinzenta, sendo a zona ventral mais clara. O dimorfismo sexual, se presente, ocorre apenas na época de reprodução, entretanto a fêmea pode apresentar o corpo e o bico menores que o do macho. O pescoço é alongado e termina numa cabeça arredondada com bico curto, por vezes encurvado. O corpo é estreito, com as patas localizadas quase na zona terminal, uma adaptação à natação e ao mergulho que torna estas aves bastantes desajeitadas em terra. As asas são curtas mas fortes, permitindo voo durante longas distâncias e retrizes rudimentares.

Família Podicipedidae Bonaparte, 1831 - Mergulhões

03 espécies

Quarta, 19 Fevereiro 2014 10:21

Piciformes

Ordem de pica-paus, tucanos, araçaris e afins.Aves de pequeno e médio porte que habitam preferencialmente áreas com arboreamento em densidade, utilizando esses ambientes como esconderijo, nidificação e para a alimentação baseada em frutos, insetos e pequenos animais. As aves dessa ordem precisam de fontes proteicas, o que explica os diversos fragrantes de captura de insetos e mesmo pequenos anuros e répteis _ os pica-paus são assim denominados por furarem os troncos das arvores a procura de comida e a ariramba executa vôos curtos colhendo no ar pequenos seres alados que passam pelo seu campo de ação. Os piciformes se distinguem também pela coloração de suas plumagens, sempre multicor e vistosa, destacando-se como belos exemplares da ave-fauna.

Família Capitonidae Bonaparte, 1838 - Capitães 
Família Ramphastidae Vigors, 1825 - Tucanos e araçaris 
Família Picidae Leach, 1820 - Pica-paus

Quarta, 19 Fevereiro 2014 09:47

Gruiformes

Ordem de jacamins, carão, saracuras, galinhas d'água e afins. Gruiforme significa “como a grua”. Esta definição se dá devido ao aspecto dos indivíduos incluídos na ordem, que lembram o formato dos enormes guindastes aos quais nos acostumamos na paisagem das cidades quando da construção de uma obra de engenharia. Aves pernaltas amplamente distribuídas pelo globo habitando desde áreas alagadiças, costeiras e mesmo climas extremos como desertos. A alimentação varia de acordo com o habitat da espécie.

Família Aramidae Bonaparte, 1852 - Carão 
Família Psophiidae Bonaparte, 1831 - Jacamim 
Família Rallidae Rafinesque, 1815 - Galinhas-d’água e saracuras 
Família Heliornithidae Gray, 1840 - Picaparra

Terça, 18 Fevereiro 2014 17:16

Galliformes

Os Galliformes são, na sua maioria, aves corpulentas de tamanho médio ou grande, com poderosos bicos arredondados e fortes e garras cegas, úteis para esgravatar o solo. De modo geral, deslocam-se no solo em passo muito rápido. Mantém a plumagem limpa esfregando-se na terra. Em muitas espécies, o macho é mais colorido do que a fêmea, que passa facilmente despercebida. Quando atacados, enganam os predadores largando as penas enquanto fogem. A época de reprodução é normalmente precedida por elaboradas paradas nupciais. Regra geral, é a fêmea que constrói o ninho, incuba os ovos e cuida dos filhotes. Estes nascem bastante desenvolvidos alimentando-se sozinhos. Os Galliformes distribuem-se por todos os continentes, com exceção da Antártica.

Família Cracidae Rafinesque, 1815 - Jacus, mutuns e afins 
Família Odontophoridae Gould, 1844 - Urus


Cracidae é uma família da ordem galliforme que inclui as aves conhecidas popularmente no Brasil como mutum (gêneros Crax e Mitu), jacu (gêneros Penelope e Pipile) e aracuã (gênero Ortalis). O grupo habita sobretudo as zonas tropicais e subtropicais da América do Sul, América Central e América do Norte até o México; a espécie Ortalis vetula, no entanto, chega a incluir em sua área de distribuição o estado americano do Texas.

Assemelham-se morfologicamente aos seus parentes distantes, os faisões e perdizes européias e asiáticas (pertencendo, tal como estes, à ordem dos Galliformes), diferindo deles, no entanto, pelo fato de preferirem habitats florestais aos campestres, nidificarem em árvores, e não no chão, e terem uma alimentação mais frugívora do que granívora. Os cracídeos são importantes dispersores de sementes e aparentemente têm um papel fundamental em manter a floresta tropical através da dispersão de suas plantas preferidas (Guix e Ruiz 1997, Sedaghatkish et al. 1999). Dispersão de sementes é o fenômeno onde as sementes de plantas e árvores são dispersas por certas animais que comem a semente e a excreta em outras áreas da floresta onde a semente então germina. A predação de semente é o termo dado ao processo onde os animais comem a parte reprodutiva das plantas, portanto, impedindo sua regeneração.

03 espécies

Terça, 18 Fevereiro 2014 16:46

Cuculiformes

Ordem dos anus, do alma-de-gato, do saci e de outras aves afins

Família Cuculidae Leach, 1820 - Anus, almas-de-gato, sacis e afins


Os Cuculidae são aves cosmopolitas, originárias provavelmente das regiões tropicais do Velho Mundo onde emigrou para a América. Atualmente os fósseis desta família mais antigos datam do início do Terciário na Europa. Registros fósseis do Brasil (Minas Gerais) datam o Pleistoceno.


05 espécies

Página 11 de 16

Temos 50 visitantes e Nenhum membro online

Fatbirder's Top 1000 Birding Websites

Curitiba possui 30 Parques e cerca de 81 milhões m² de área verde preservada. São 55m² de área verde por habitante, três vezes superior ao índice recomendado pela Organização Mundial de Saúde, de 16m². No Brasil, é a cidade onde a Mata Atlântica é melhor preservada. 

Com aproximadamente 400 espécies identificadas na cidade, entre nativas, migratórias e exóticas, segundo livro publicado pela Prefeitura Municipal de Curitiba, iniciamos nossas passarinhadas nestes Parques, queremos lembrar que não se trata de um trabalho científico e sim o registro da nossa paixão pelas aves.


Hierarquia dos taxons pertencentes à classe Aves de todas as aves do Brasil baseada na lista de aves do Brasil de janeiro de 2014 do CBRO (Comitê Brasileiro de Registro Ornitológico).

Os Textos são de consulta do site: http://www.wikiaves.com.br/.